enquanto isso...em uma das conversas da vida...

aqui em Campinas, ao som de cotidiano do chico, alguns dias são compridos e cheios de uma languidez inebriante, outros passam sem a gente perceber de tão rápidos que são...
enfim, caminhamos...

Palavras não falam



Hoje quem vai falar por mim é a Mariana Aydar...

Beto e os Sinais de Pontuação

Eu estou emburrecendo. Foi essa a conclusão a que chegou no terceiro ano da faculdade. Há três anos era capaz de refletir sobre aquilo que o cercava. Tinha tempo. Tempo, o que é? Recorreu ao Houaiss: “oportunidade para a realização de alguma coisa”. Platão foi um grande filósofo, pensou, será que assim o seria se não tivesse uma mina de carvão com trabalhadores escravos? Ou se sua esposa não fosse chata? Ele teria tempo para pensar se não pudesse usufruir do ócio? Por que insistem em preencher meu dia com coisas que me impedem de pensar, questionou-se.
Começou a digressionar: Bacon, Jung, Goethe... Regurgitava pensadores. Vamos ao rodeio hoje? Quem olha para fora, sonha. Quem olha para dentro, acorda. Você viu Gossip Girl ontem? Uma boa consciência é um banquete ininterrupto. O que acontece com o Beto, hein – perguntavam à meia boca seus amigos.
Tornou-se um chato, ninguém queria estar ao seu lado. Em seus poucos momentos livres, ele escrevia suas memórias, pensamentos. Teorizou e chegou à conclusão de que escrever era um ócio muito trabalhoso, parafraseando Goethe. Criou então, para que seus pensamentos perdurassem, a Teoria dos Sinais de Pontuação: as pessoas dividiam-se em pontos finais, de interrogação, dois pontos, exclamação e vírgulas.
Os pontos finais eram aqueles que não refletiam, não gastavam tempo pensando. Os filósofos e grandes pensadores eram os pontos de interrogação. Já aqueles que viviam no laissez faire, laissez passer eram os pontos de exclamação, professores eram os dois pontos e as vírgulas eram os pensadores medíocres, medianos.
Endoideceu. Ao andar na rua, ao conversar, enxergava apenas os sinais de pontuação. Oi, Beto! Oi, Exclamação. (Hã?!). Beto, você viu o Eduardo? Quem? E-du-ar-do. Aquele ponto final? Não, não vi. (?!?). Amor, vamos jantar hoje? Na realidade, você não passa de uma vírgula, precisa pensar com mais concretude.
Com o tempo, as Vírgulas, Exclamações e Pontos finais catalogaram-no: virou um trema. Viva a Reforma Ortográfica, brindaram os amigos

* Texto escrito originalmente para o ridentes.blogspot.com

Do your worst

Meu dedo direito tem uma cicatriz conquistada esse ano. Ela não é grande e aparente, mas eu posso senti-la ao passar a mão sobre meu dedo, posso vê-la se olhar com atenção. Ela externa várias outras cicatrizes que este ano me trouxe. E isso é lindo. Sim. Fui agraciada com cicatrizes profundas. Dois mil e oito ficará para sempre em mim. Sinto-me, sobretudo, agraciada. VIDA. E tudo aquilo que ela traz. De pior e de melhor.
Agradeço ao meu Criador - o fazedor de sonhos e moldador do meu caráter. Obrigada por aquele que para sempre será o pior ano de minha vida. E, sendo o pior, tornou-se um dos melhores.
Que venha dois mil e nove. Que seja pior. Para mim e para você que me lê. Que traga mais cicatrizes. Que me ensine a usar vírgulas. Que nos emocione, nos comova, nos transforme. Do your worst.
E o amor, mais uma vez, nos fará lindos.

À menina de olhos brilhantes.



Era um dia nublado e eu tinha um trabalho para entregar. Minhas mãos pequenas se mexiam de um lado para o outro tentando explicar como deveria ser feito. Seus olhos atentos e calmos me traziam a certeza de que tudo ficaria bem. Você se levantou, foi até a cozinha e voltou com um saquinho de bolacha Foffys. Sentou-se ao meu lado. Que tal ser criativa, filha? Eu não entendia. Contaremos a história com os ursinhos de bolacha. Sim! Claro! Como minha mãe é esperta, pensei. Ela deve ser a melhor do mundo.
Era um dia ensolarado e eu estava brincando no parquinho da escola. Caí do escorregador e cortei a testa. Você chegou e, mais uma vez, seus olhos atentos e calmos me traziam a certeza de que tudo ficaria bem. Eu me desesperei quando o médico me chamou. Filha, seja forte, a mamãe está aqui. A mamãe está aqui, que mais preciso eu? Deitamos juntas na maca. Ponto-a-ponto conversávamos, você cantava. Nem doeu nada. Minha mãe que fez isso. Tenho certeza que ela é a melhor do mundo.
Era janeiro e eu tinha recebido uma das piores notícias de minha vida. Liguei. Soluçando, não conseguia falar. Em dois minutos você estava lá. Seus olhos atentos e calmos me traziam a certeza de que tudo ficaria bem. Filha, seja forte, você vai conseguir. Dessa vez doeu. Muito. Durante um tempo. Você me consolou. Deu-me força. Minha mãe fez a tempestade se acalmar, disse eu. Ela é a melhor do mundo.
Não me lembro do dia que te conheci, mas foi quando cheguei aqui - nisso que chamam mundo. Em minhas lembranças mais remotas, vejo uma menina-moça de olhos brilhantes, me ensinando a contar, a colorir, a viver. Essa menina que hoje faz anos. Viva. Linda. Intensa. Eu amo você.

Entendo-te. Como só uma amiga pode entender.



Essa explosão silenciosa que te invade terá fim. Acredite. Inspire, expire. Fundo, com calma, sentindo cada segundo. Aí está a beleza da vida, segundo a segundo tornamo-nos pessoas novas e melhores. Aproveite este momento. Reinvente-se. Eu estou ao seu lado. E sorria, sempre. Seu riso é único e lindo.

19 desejos




Uma vez na vida cante gritando com todas as suas forças. Lute por aquilo que você acredita. Mude a vida de alguém. Ria até doer a barriga. Assista o sol nascer com um amigo. Chore. Transforme-se em alguém melhor a cada dia. Sofra.Acredite. Segure a mão de um amigo. Deixe que ele segure a sua. Ore. Faça alguém feliz.Se deixe fazer feliz. Seja feliz sozinha. Seja feliz junto. Ame. Conheça alguém que você admire. E trema.


Parabéns Gabi!

Amo você

;D